quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Jardim de Infância de Simães

No jardim de Infância são várias as atividades desenvolvidas ao longo do ano letivo.
Este ano letivo, como habitualmente acontece, iniciamos com o período de integração que, por ser constituído por um grupo de crianças bastante heterogéneo, com idades compreendidas entre os três e cinco anos, torna este mais alongado.
Assim, as atividades devem ser bastante práticas, para chegar a todas as crianças, ainda que o grupo de cinco anos desenvolva atividades mais complexas e específicas e de acordo com o seu nível de desenvolvimento.
Passamos a apresentar as atividades mais relevantes, nas quais participaram todas as crianças do grupo deste JI.
Lúcia Dias

Trabalhos relacionados com a Vivência do Outono

Ciclo do Milho 



Confecionamos Pipocas

Observaram o resultado...

Confecionamos este delicioso pão com a receita tradicional...

Também se dá continuidade às tradições
Dia das Bruxas (Halloween)   
Mesa do Outono (Confecionamos doce de abóbora para oferecer aos familiares)
                                                           
Magusto do Dia de S. Martinho

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

“Métodos de estudo” - 10º.C

Cem minutos com a Dra. Ana sem minutos de tédio!
Cem minutos de sessão, cem minutos de aprendizagem.
Nem todo o tempo gasto é perdido.
     Aperfeiçoar o aperfeiçoado….


Numa gelada manhã de terça-feira, numa das aulas de Biologia/Geologia, recebemos a Sra. Psicóloga, dra. Ana Azevedo. Esta aula teve como intuito conversarmos sobre os métodos de estudo dos alunos, a melhor forma de estudar e partilhar ideias.
Como estar atento nas aulas; tirar os melhores apontamentos; organizar informação; saber o que é significante estudar para um teste; as melhores formas de estudar antes de um teste; o tempo que devemos dedicar aos nossos estudos, mas também a necessidade de descansar e tirar partido de bons momentos com os amigos e família. O que fazer e o que não devemos fazer antes da hora do teste; controlar a ansiedade durante e após um teste e entre outras coisas. É algo que muitos alunos se preocupam, se questionam e, muitas das vezes, não têm a melhor resposta.
O 10º. ano é um dos anos mais difíceis que os alunos passam, pois é uma gigantesca transição do ensino básico para o ensino secundário, “onde tudo conta”. Esta aula veio na altura ideal para nos ajudar a que este processo seja mais simples e suave, de maneira a não cometermos os maiores erros e a termos sucesso.
Muito bem aproveitada por quase todos os alunos que precisavam de ouvir a “voz da razão” foi, sem dúvida, o melhor “presente” de Natal que nos podiam ter oferecido. Estamos todos agradecidos à Sra. Psicóloga, dra. Ana Azevedo, por ter sido objetiva, atenciosa, serena e sempre disponível a nos ajudar neste longo e duro caminho que temos pela frente. Agora é connosco, teremos de enfrentar os grandes desafios com trabalho árduo. “Sem trabalho não há sucesso”.
Hugo

(…)
De uma forma cativante e bastante interessante deu-nos uma pequena palestra sobre métodos de estudo, dando-nos uma maior perceção sobre como nos devemos orientar de forma a termos uma maior sucesso escolar. Foi bastante precisa e objetiva. Por vezes, as palestras são um pouco maçadoras e repetitivas mas não foi o caso.
 Fomos alvo de conselhos que serão muito úteis para todos nós. Foi uma aula bem passada porque para além do assunto ser do interesse de todos nós, a forma e a simpatia com que foi dada esta sessão tornou tudo ainda mais agradável.
Teresa Fernandes

Gerir o tempo livre e criar métodos de estudo foi uma das vertentes desta palestra.
Ana Rita

Cem minutos com a Dra. Ana, psicóloga da escola, foram cem minutos perdidos da disciplina de Biologia, mas cem minutos bem aproveitados a falar em métodos de estudo.
Posso dizer que a conversa com a dra. Ana me ajudou.
Ajudou-me a perceber a necessidade de estudar todos os dias as matérias dadas nas aulas. Este hábito será muito importante porque acabará por ser um agente facilitador do estudo para os testes.
Beatriz Araújo

(…) estar atento na aula não chega temos de  estudar em casa e fazer breves resumos das matérias e não cópias, perceber e não apenas memorizar.
Alexandre Fernandes

A dra. Ana explicou-nos formas diferentes de estudar e como controlarmos a nossa ansiedade antes, durante e depois dos testes de avaliação.
Mostrou-nos diferentes esquemas, que poderemos usar para organizar o nosso caderno e, consequentemente, sermos mais organizados.
 Estas explicações ajudaram-me imenso…
Beatriz Pereira

Tomei consciência do ritmo de estudo, o que nos facilita a nossa organização diária. Se o fizermos poderemos realizar mais tarefas e treinar a nossa memória de forma a hierarquizarmos tudo o que ela retém, obtendo melhores resultados.
Esta sessão “cativou-nos”. “Cativou-nos”, não no sentido de encontrar/fazer amigos, mas no sentido de encontrar novos métodos de trabalho.  
Daniela Peixoto

Para estudar temos, em primeiro lugar, de fazer uma leitura rápida, depois sublinhar o mais importante, para finalizar o estudo temos de fazer os resumos com os apontamentos mais importantes e as ideias chave sublinhadas.
Ouvimos, mais uma vez, que não devemos estudar só na véspera dos testes.
Diogo Antunes


De disciplina em disciplina, os métodos de estudo variam bastante. Hoje tivemos a oportunidade de conhecer novos métodos de estudo com a dra. Ana Azevedo.
Alguns dos temas que abordámos foram: como exercitar a memória, como definir objetivos, como combater a ansiedade e como fazer para aproveitar melhor o tempo de estudo.
Catarina


Traçar objetivos é algo difícil mas muito importante. Nesta palestra, abordamos este assunto. Se gastarmos cinco minutos a delinear objetivos, será uma mais-valia para o rendimento do estudo. Se seguirmos este conselho da dra. Ana vamos focar-nos nestes objetivos e tentar fazer tudo para os alcançar. Será uma vitória quando os atingirmos.
Érica

Todos nós temos técnicas diferentes para estudar. A psicóloga da escola, dra. Ana Azevedo, esteve na nossa sala a esclarecer algumas dúvidas e apresentou alguns métodos e estratégias para conseguirmos obter melhores resultados. (…)
Pudemos concluir que estudar não é tão difícil como pensávamos. Estar atento nas aulas e estudar um pouco todos os dias podem ser duas das medidas para ter boas notas. 
Juliana Gomes
(…)
      Ouvimos e aprendemos como devemos gerir o nosso tempo de estudo e a ansiedade antes e durante os testes. Foram referidas várias estratégias para organizarmos bem a nossa semana e selecionarmos os nossos objetivos.
Também nos indicou métodos de estudo para nos ajudar a desenvolver melhor as nossas capacidades tanto para compreendermos melhor os conteúdos lecionados nas aulas como para melhor e mais facilmente percebermos a matéria durante o estudo.
Ensinou-nos, ainda, como conseguir manter a máxima concentração enquanto estamos a estudar, sem telemóveis, computadores e outros materiais que nos possam distrair a cada segundo e como utilizar a nossa memória, isto é, fez-nos perceber que algumas disciplinas necessitam mais de memorização do que outras, como matemática e física e química, que exigem mais a prática.
     Consegui perceber o meu ritmo certo de estudo, o que tornará mais fácil a organização do meu dia-a-dia e da minha semana. Assim, conseguirei realizar muitas mais coisas e de forma mais organizada. Além disso, percebi ainda que se conseguirmos organizar as ideias e a matéria de uma forma sistematizada conseguiremos melhores resultados.
Juliana Sousa

A passagem do ensino básico para o ensino secundário é aterrorizante. Tenho a certeza que todos notamos uma tremenda diferença, sendo que no ensino secundário é preciso arregaçarmos as mangas e trabalharmos muito mais, dedicarmo-nos muito mais, mas, principalmente, passar algum do nosso tempo a traçar prioridades e organizar os nossos objetivos.
Assim nos aconselhou a psicóloga da escola, dra. Ana Azevedo, que deixou bem claro, na palestra da passada quinta-feira aos alunos da turma 10º.C, que temos e devemos organizar melhor o nosso tempo, delinear objetivos a curto prazo, melhorar as nossas técnicas de estudo, dedicar mais tempo à escola, pois o nosso futuro dependerá da maneira como encararmos este novo ciclo.
Com certeza, uma das partes que mais nos cativou foi a forma de como podemos interiorizar e consolidar a matéria estudada, ao fazer resumos diariamente e não decorar, mas, sim, perceber a matéria com ajuda de esquemas bem organizados. Seguidamente, a psicóloga explicou-nos brevemente como funciona a memória humana e fez referência à forma como a informação circula, algo bastante intrigante e interessante. (…)    
Terminámos, então, a palestra. Tempo bem aproveitado e, de certeza, ganho para nós, estudantes do curso de ciências e tecnologias que, agora melhor encaminhados, já podemos usufruir dos conselhos dados para termos um melhor desempenho e um maior sucesso ao longo deste árduo caminho.                                     
Selma


domingo, 3 de dezembro de 2017

Nós e as redes sociais

Atualmente, somos direcionados por uma mente que pouco se esforça para sentir, apenas sente aquele comentário no Twitter ou aquele gosto na foto postada no Instagram, que mil pessoas veem, trezentas colocam gosto e apenas uma ou duas dessas trezentas pessoas  um gosto sentido.
As redes sociais são um influenciador sem influência, algo que serve de constante refúgio para as frustrações da vida e uma falsa solução para os medos emocionais, que dantes eram resolvidos com uma conversa e agora são expostos no Instagram com uma frase e uma foto que apenas refletem um superficial estado de espírito da pessoa para toda a gente, deixando a solução à deriva, num dia longo.
O mundo é ligado pelas stories no Instagram ou pelos snaps que transmitem o que estamos a fazer naquele instante para todos os nossos seguidores, que podem ser de três continentes diferentes.
Por outro lado, apesar de todos os infortúnios que nos trazem, as redes sociais são grandes meios facilitadores do bom funcionamento do mundo e da vida de cada cidadão.
Através de um chat do Facebook ou Skype, conseguimos comunicar com o nosso amigo e transmitir-lhe o nosso verdadeiro estado de espírito, através de palavras ou videochamada, o que aproxima os mais afastados. É, de facto, fantástica esta ligação que nos dá a conhecer todas as referências, através de um simples objeto que transmite informação por um vidro que nos aproxima de tudo.

Assim, é a utilização que fazemos desse novo mundo que define se ele nos aliena ou nos aproxima do que dá sentido à vida: a relação “sem rede" com os outros.
João Pedro Couto Rodrigues, 11ºB

sábado, 2 de dezembro de 2017

Novo horário escolar

Este ano letivo fomos surpreendidos com aulas de 50/100 minutos.
A escola completou este ano o seu 26° aniversário e durante os primeiros 15 anos, na nossa escola, cada aula era de 50 minutos.
Há cerca de 11 anos surgiu a mudança de tempo de duração das aulas que passaram a ter 45/90 minutos.
No âmbito de um trabalho para a disciplina de Português, quisemos saber a opinião de alunos e professores sobre a mudança dos tempos letivos de 45 minutos para 50 minutos.

1 – Opinião dos alunos

Em relação aos alunos, elaboramos um pequeno questionário e nos intervalos das aulas recolhemos a opinião de 100 colegas. Apresentamos os resultados deste inquérito nos gráficos seguintes. 

Preferes as aulas de 45/90 minutos ou 50/100 minutos?

Gostas das novas aulas de 50 minutos?

Achas que os tempos de intervalo estão bem distribuídos?

Achas que o teu horário é demasiado sobrecarregado?

As aulas de 50 minutos são mais rentáveis?

2-      Opinião de professores

Para este estudo achámos importante conhecer a opinião de alguns dos senhores professores sobre o assunto.
Ana Teixeira, professora de Inglês e Alemão.
Dá aulas nesta escola há 18 anos. Na sua opinião, as aulas de 50/100 minutos são mais produtivas, pois o tempo de concentração de cada pessoa, sendo adulto, adolescente ou pré-adolescente, não é muito extenso.
Com as aulas de 90 minutos, chegava a determinada altura que tanto os alunos como os professores já estavam cansados.
Anabela Dalot, professora de Geografia.
Dá aulas nesta escola há 25 anos. Na sua opinião, as aulas de 50/100 minutos são melhores a nível de concentração dos alunos, ficando menos dispersos por ser menos tempo, porém o horário não está bem organizado, não está bem distribuído.

Em conversa com outros senhores professores constatámos que têm mais ou menos a mesma visão. As aulas de 50/100 minutos fazem com que os alunos não estejam tão dispersos e estejam mais atentos nas aulas.


3- Conclusão

Nem sempre é fácil organizar os horários escolares.
A distribuição dos tempos letivos e das disciplinas ao longo dos dias da semana vão influenciar não só a atenção e a aprendizagem dos alunos como a vida profissional dos professores.
Este ano letivo 2017/2018 o conselho pedagógico da nossa escola decidiu voltar a apostar nas aulas de 50/100 minutos como já ocorrera há anos atrás.
Segundo os senhores professores esta nova aposta contribuiu favoravelmente para a atenção/concentração dos alunos.
A cada 50 minutos que passa o aluno e o professor têm direito a uma pausa/intervalo. Da parte de manhã: o primeiro de 10 minutos, o segundo de 15 minutos e o terceiro e o quarto de cinco minutos; da parte de tarde: o primeiro de 5 minutos, o segundo de 10 minutos, o terceiro de 15 minutos e o quarto e o quinto de 5 minutos.
Como pudemos verificar no gráfico, à pergunta “ preferes aulas de 45/90 minutos ou 50/100 minutos” a maior parte dos alunos respondeu 50/100 minutos. Deduzimos, então, que esta sondagem confirma uma aceitação e uma satisfação pela parte dos alunos.
Já para os técnicos operacionais da escola, a alteração da duração dos tempos letivos não influenciou tanto o seu trabalho. Mas temos uma exceção, esta mudança levou a que os alunos tivessem mais intervalos que nos anos anteriores e as senhoras que trabalham no bar têm uma maior dificuldade em responder aos pedidos dos alunos e dos professores porque há uma maior afluência a este espaço e particularmente no turno da manhã.
Concluímos, então, que as aulas de 50/100 minutos, tirando esta situação do atendimento no bar, estão a ser muito mais rentáveis e que são uma mais-valia para todos nós, estudantes, e para todos os que nos acompanham nesta jornada.

Trabalho realizado por:
Beatriz Fonseca n°3; Bruna Oliveira n°4; Nanci Macedo n°14; Tiago Borges n°17, 11°D

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Apreciação Crítica

João Botelho deu alma à obra de Garret - “Frei Luís de Sousa”, adaptando-a ao cinema, no filme “Quem és tu?”, representado por Patrícia Guerreiro, Susana Borges, Rui Morisson, Rogério Samora e José Pinto. Um bom projeto e um resultado bem sucedido.
No filme a expressividade das personagens cativa-nos e envolve-nos. Além disso, as personagens, pela sua ação, localizam-nos no tempo e no espaço. É que a ação decorre numa época bem diferente da do nosso dia-a-dia!
Os cenários, as cores e o próprio espaço dizem-nos muito acerca do drama em si, por exemplo, no segundo ato, toda essa combinação acaba por nos transmitir a preocupação e o medo vividos por D.Madalena.
O guarda-roupa também nos conduziu até ao século XVI.   
A visualização do filme em diferentes aulas de Português ajudou-nos à compreensão da obra.
Francisca, 11ºD

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Momentos Qualifica

O início remonta a setembro, momento no qual começou uma nova etapa nas vivências da ESPL. Constituída a equipa de trabalho, foram sendo ultrapassadas várias fases desta nova valência do nosso Agrupamento de Escolas.
Paulatinamente, o processo da formação e certificação de adultos começou a ganhar forma. Das sessões de trabalho iniciais, nas quais se vão dando a conhecer os Referenciais de Competências-Chave, às sessões de formação complementar - têm agora um mínimo obrigatório de 50horas -, a Escola voltou a ganhar vida no período noturno.
Foi ao longo das sessões de formação dos primeiros dois grupos de adultos que surgiu a ideia de nos despedirmos daqueles que já cumpriram uma fase deste processo, com um momento mais informal e de convívio. As Senhoras ofereceram-se de imediato para adoçarem o momento e o resultado final foi um verdadeiro festival de doçuras… Um chá ou um café, bem quentes, acompanharam o momento que trouxe ânimo, vida e calor a uma noite que poderia ter sido igual a tantas outras!...
Filipa Silva e Rosa Martins

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

"[...] estudar e trabalhar vale sempre a pena..."

No passado dia 10 de novembro, ocorreu a entrega de prémios dos quadros de valor, mérito e excelência escolar. Aquele momento em que todos os alunos percebem que estudar e trabalhar vale sempre a pena e que nada se alcança sem esforço e dedicação. É, sem dúvida, uma noite diferente, todos os anos trazendo algo inovador. Os momentos musicais, por exemplo, são uma excelente marca de momentos de emoção nessa noite. Assim, considerei ter sido esta noite única, deixando pais orgulhosos e os alunos com um sorriso de orelha a orelha mas, o mais importante é que reconhecermos que a nossa presença naquela noite é fruto de muita dedicação, tornando-nos mais confiantes para o seguimento do próximo ano.

                                                                       Miriam Sequeira Gonçalves, 7ºA